All Posts By

Thiago de Aguiar

O que significa o termo FAR? (False Acceptance Rate)

Por | Tecnologia | Nenhum comentário

O que é taxa de aceitação falsa ou FAR?

A taxa de aceitação falsa, ou FAR, é a medida da probabilidade de um sistema de segurança por reconhecimento facial aceitar incorretamente a identificação de um usuário de forma incorreta. A FAR de um sistema geralmente é declarada como a proporção do número de aceitações falsas dividido pelo número de tentativas de identificação. (definição por Webopedia)


Identificação vs. verificação

Um sistema de reconhecimento pode ser executado em dois modos diferentes: identificação ou verificação. A identificação é o processo de tentar descobrir a identidade de uma pessoa examinando um padrão biométrico calculado a partir dos recursos biométricos da pessoa.

No caso de identificação, o sistema é treinado com os padrões de várias pessoas. Para cada uma das pessoas, um modelo biométrico é calculado neste estágio de “Aprendizado”. Um padrão que será identificado é comparado com todos os modelos conhecidos, produzindo uma pontuação ou uma distância descrevendo a similaridade entre o padrão e o modelo. O sistema atribui o padrão à pessoa com o modelo biométrico mais similar. Para evitar que os padrões de impostores (neste caso, todos os padrões de pessoas não conhecidos pelo sistema) sejam corretamente identificados, a similaridade tem que exceder um certo nível. Se esse nível não for alcançado, o padrão será rejeitado.

No caso de verificação, a identidade de uma pessoa é reivindicada a priori. O padrão que é verificado apenas é comparado ao modelo individual da pessoa. Semelhante à identificação, verifica-se se a similaridade entre padrão e modelo é suficiente para fornecer acesso ao sistema ou área protegida.

Fonte: Bayometric

Alinhamento de Expectativas e comunicação dentro da empresa, um desafio constante.

Por | Negócios | Nenhum comentário

Alinhamento de expectativas e uma boa comunicação é essencial para o bom funcionamento das atividades diárias de uma empresa. Imagine como seria possível você cumprir uma entrega de serviço qualquer em 10 dias, mas os envolvidos entendem que o prazo para essa entrega seria o dobro do tempo? Ou imagine que o foca da empresa é agilidade e transparência no desenvolvimento de seus projetos e seus funcionários trabalham com práticas que burocratizam o andamento das atividades? Inúmeras situações de divergências que poderão atrapalhar muito o andamento de seus negócios, e não se trata de certo e errado, mas de resultados.

Toda equipe é formada por profissionais diferentes, que pensam diferente e com objetivos pessoais diferentes, e que se estiver desalinhado com os objetivos coletivos poderão gerar problemas como disputas de ego, falhas de execução de seu trabalho, frustração, aumento de custos com demissões e novas contratações, entre outros custos maiores relacionados a insatisfação.

A todo tempo, aprimorar os métodos para construir uma comunicação mais aderente aos ouvidos de sua equipe, demonstrando com transparência todo o cenário empresarial e os objetivos e missões que precisarão ser cumpridos para o sucesso coletivo, e por sua vez, individual, é um bom caminho para perseguir e melhorar. Na prática, algumas dicas que podem ser consideradas:

Na contratação ser claro com os objetivos da empresa, da área atuante e por sua vez, do profissional a ser contratado.

Oferecer feedbacks para poder motivar o colaborador.

Explorar o que tem de melhor em seus colaboradores, afinal, lembre-se que defeitos são relativos e todos tem.

Priorizar o coletivo, valendo para o empresário, líderes e colaboradores. Para todos.

Avaliações comportamentais que definem o perfil de seus colaboradores e suas características é importantíssimo, pois todos saberão como uma conversa será recebida por seus colegas e trará um benefício positivo para atingir o resultado que se espera.

Uma boa conversa e uma relação de reciprocidade poderá dar atenção aos anseios e proporcionar oportunidades no coletivo para que cada um conquiste seus objetivos e tenha conforto em suas atividades.

Compartilhe este texto

Ser um empresário no Brasil em tempos difíceis

Por | Negócios | Nenhum comentário

Ser dono do seu negócio, uma empresa seja o tamanho de sua estrutura em um Brasil de crise constante é um enorme desafio para quem deseja empreender.

Não se trata somente de persistência, coragem e dinheiro no bolso, mas importante uma visão crítica da realidade no que é bom e ruim, senso de humor e uma habilidade incrível de se reinventar a todo tempo para seguir com os passos necessários sem deixar a peteca cair. E mesmo assim para os que se atrevem a permanecer no mercado nacional, a luta é diária e de muita instabilidade.

Nosso Brasil enfrenta um dos seus piores momentos nos últimos anos, com projetos e leis em vigor antigos que não favorecem a estabilidade empresarial em diversos aspectos, e exige muita, mas muita resiliência para manter-se firme e forte perante os desafios. Vale assim readequar a empresa a todo tempo para convier com a queda de demanda, pois pode ser hoje a única saída. Pensar em uma estrutura reduzida, um quadro de pessoas ativas reduzido e com perfil hibrido, que possa te ajudar em tarefas diferentes é uma fórmula essencial mas que exige critérios. Uma excelente opção para isso é o foco no Core Business, o coração de seus negócios, onde você poderá reconstruir suas vantagens competitivas e expandir o que sabe fazer de melhor. Tempos difíceis são combustível para criar oportunidades em um mercado que se encontra de tudo, mas que precisa sempre do novo.

 

Um ponto que sempre pode estar em evidência é construir oportunidades com base na solidificação de parceiros, e uma dica preciosa: que faça sentido nos com seus ideais e que complementam sua visão no mundo dos negócios. Literalmente uma parceria onde ambos poderão se ajudar e encontrar os melhores caminhos, sem interesses unilaterais, princípios éticos e com os motores necessários para alavancar vendas e resultados, podem ser uma excelente alternativa para sua expansão no momento em que a economia está se recuperando. Seu mundo poderá entender e com entusiasmo que sua empresa pode ir mais longe porque tem os caminhos para isso, e sentirá confiança neste mercado oscilante que vivemos.

 

Não menos importante, inova com sua gente, seus colaboradores, aplique técnicas de comunicação inteligente, construa um comportamento saudável e eficiente entre os colaboradores e seus clientes para potencializar e multiplicar a energia necessária para o sucesso de seu negócio.

Compartilhe este texto

Transformação digital e mudança cultural

Por | Soluções, Tecnologia | Nenhum comentário

“Alexa, apague a luz.” “Siri, trancar a porta da frente.” “Cortana, qual é a minha agenda para amanhã?” Estes são apenas alguns dos comandos que você pode dizer aos deus dispositivos AI nos dias de hoje. É a tendência, a procura, o uso. Tanto assim, que já as empresas no Brasil e no mundo estão buscando e encontrando maneiras de adicionar a IA em seus sistemas e programas para facilitar a vida de funcionários e consumidores. Os chatbots estão em moda e já são comuns para nós. Estamos literalmente na grande Revolução, na Industria 4.0.

Considerando que a vida útil de uma empresa na Fortune 500 ou na S & P 500 é, em média, de apenas 15 anos e que empresas digitais como a Uber e a Airbnb, que nem existiam antes de 2008, são agora consideradas as crianças-propaganda de bilhões de dólares para a interrupção digital, sabemos que o caminho está cada vez mais definido para a indústria do nosso futuro próximo.

Hoje, devido à crescente adoção de estilos de vida digitais por parte dos consumidores, cada empresa deve mudar a forma como opera e interage com os clientes todos os dias. As estratégias de longo prazo não são mais válidas ou sustentáveis, e a mudança é constante.

Podemos pensar que o Mundo digital está em transformação constante, e explodindo neste novo cenário crescente de Inteligência Artificial, mas a cultura das empresas ainda é o maior obstáculo, principalmente com problemas culturais. Se você já esta sentindo este efeito, aproveite o momento, pois ele deverá aumentar ainda mais.

Construir uma cultura organizacional para uma adoção bem-sucedida de tecnologias digitais, como a Internet das coisas , análise de Big Data e mobilidade, exige que todos na organização, de líderes a funcionários da linha de frente, trabalhem de maneira aberta e transparente. É difícil para uma organização passar por transformação digital se a cultura é construída em torno de silos. Em casos como este, a mudança cultural precisa ser tratada antes que o processo de transformação possa começar.

Reconhecer que a transformação digital deve ser focada nas pessoas primeiramente é uma maneira prática e precisa de evoluir o tema. Precisamos lidar com as experiencias e buscar onde a tecnologia permite e aprimora essas coisas para melhorar nossa cultura, nosso dia a dia. Trazer as pessoas a bordo com este comportamento é o grande passo. Construir uma comunidade que cria tempo para compartilhar eventos diários, testarem e aprender como funcionaria melhorias, debater e colaborar é o melhor investimento para a inserção de métodos inteligentes em nosso cotidiano, elevando nossa adoção as tecnologias.

Compartilhe este texto